Novidades

Cinco Formas de Morrer de Amor

Do amor à morte
Um espectáculo operático de Catarina Molder

11 de Fevereiro | Teatro Municipal de Portimão

O espectáculo de Catarina Molder, com a direcção cénica da actriz e encenadora Lígia Roque em torno do eterno sacrifício feminino e da catarse da morte por amor e do canto da morte para ver Teatro Tempo de Portimão! Este espectáculo traça o percurso de uma mulher que morre continuamente de amor, até à exaustão suprema. O amor fá-la viver de novo, para morrer outra vez. Um eterno retorno. Um eterno sacrifício, onde todos os músicos participam. Quem vence no final? O amor ou a morte? – a violência do amor, a violência das relações, a violência da procura pela felicidade.

O Contópera O Polegarzinho e A Verdadeira História de Babar - CD

Com música especialmente composta para aliciar os mais novos, não perca a oportunidade de uma prenda de Natal que ficará para a vida!!

 

O conto de Charles Perrault serve de mote para esta pequena pérola de introdução ao mundo da ópera, o contópera "O Polegarzinho" da compositora francesa Isabelle Aboulker e a comovente e empolgante versão da história do pequeno elefante Babar com o charme irresistível da música de Francis Poulenc para divertir pequenos e grandes!

 

Para ouvir, sonhar e maravilhar!
Uma prenda de Natal para fazer a diferença!

 

Duas obras extraordinárias, numa ligação perfeita entre a palavra, o canto e a música.

 

Edição Ópera do Castelo

O OPERAFEST LISBOA ESTÁ DE VOLTA EM 2023!

 

Operafest Lisboa de volta em 2023 com "Entre o Céu e o Inferno" de 18 de AGO a 9 SET no Jardim do Museu Nacional de Arte Antiga

BALANÇO OPERAFEST LISBOA 2022

19 AGO a 10 SET
No Jardim do Museu Nacional de Arte Antiga

Destino em Vertigem

O OPERAFEST LISBOA 2022 com a direcção geral e artística da soprano Catarina Molder, produzido pela Ópera do Castelo em co-produção com o Museu Nacional de Arte Antiga, com a duração quase de um mês, sob o mote do " destino em vertigem" e propondo a catarse da máscara, levou a emoção da ópera directamente a 5000 pessoas, das quais 1500 crianças e jovens que vieram à ópera pela primeira vez!

Cerca de 37% por cento do público desta edição veio à ópera pela primeira e tocámos num número significativo de público adulto que não só veio à ópera pela primeira vez, como se estreou na fruição de ópera contemporânea.

Produções em estreia

13 espectáculos de ópera

1 estreia nacional

1 estreia absoluta absoluta

30 aulas de canto para curiosos

Concurso de ópera contemporânea - Maratona Ópera XXI

1 rave operática

Conseguimos mais uma vez com um programa ambicioso e inovador dinamizar o mercado de ópera português e trazer a ópera para mais próximo do público e do mundo de hoje!

 

Trouxemos Um Baile de Máscaras de Verdi de volta a Lisboa passados 18 anos, na encenação intensa e vibrante da actriz e encenadora Sandra Faleiro, muito elogiada pelo público e crítica. Apresentámos a estreia nacional da maravilhosa ópera Labirinto de Gian-Carlo Menotti, que será brevemente gravada em CD, em dose dupla com Uma Partida de Bridge de Samuel Barber. Arrancámos com o ciclo Ópera do Futuro para sensibilizar os mais novos à opera, com a ópera Jeremias Fisher de Isabelle Aboulker, proporcionando uma experiência transformadora não só para o público, como para as crianças intérpretes que nela participaram, praticamente uma hora em palco sem nenhuma direcção ou maestro!

Promovemos novos olhares e propostas com a aposta na estreia em encenação de ópera de nomes já conhecidos e experientes como o actor e encenador Bruno Bravo que encenou a Noite Americana e a bailarina e coreógrafa Sílvia Real ao leme de Jeremias Fisher. Assim como na emergência de novos talentos também na encenação de ópera, oriundos do teatro e da dança, na 3ª edição do único concurso nacional de ópera Maratona Ópera XXI. Foi apresentado repertório "na gaveta", já estreado, com excertos de duas óperas de António Chagas Rosa (1994) e de Daniel Moreira (2018), por três concorrentes encenadores, cujo vencedor foi o jovem encenador Rodrigo Aleixo!

Ecos crítica Internacional:
"Baile trágico em Lisboa - O Baile de Máscaras abre a 3ª edição do Operafest Lisboa 2022", Pierre Brévignon para Première Loge
"Operafest Lisboa ilustra as vertigens do destino com Um baile de máscaras de Verdi", Emmanuel Andrieu para Opera Online
"Uma noite americana no Operafest Lisboa", Emmanuel Andrieu para Opera Online
"Encontro com Catarina Molder", Emmanuel Andrieu para Opera Online

Apresentámos ainda, em estreia absoluta, a ópera Minotauro de João Ricardo. Revisitámos a ópera de António Chagas Rosa O Homem dos Sonhos e fechámos em grande com a rave operática, atraindo mais uma vez público inusitados com esta proposta irresistível que une o mundo pop com o mundo operático!

Tocámos novos públicos de todas as idades e muitas crianças, lançámos jovens cantores, músicos, maestros, encenadores, criativos, compositores. Acreditamos no poder transformador da ópera e como esta pode provocar tantas emoções e transportar as nossas dores para um outro lugar!

Agradecemos do fundo do coração a todos os parceiros que tornaram possível esta edição, com a promessa de que tudo faremos para fazer crescer e continuar a oferecer um festival que se quer sempre ultrapassar, para levar a ópera a todos, renovar o repertório, chegar a novos públicos de todas as idades, fortalecer a produção de ópera independente nacional e internacional, apostando e dignificando o trabalho, e em particular o trabalho jovem.

 

Declaramo-nos como um festival amigo do ambiente, que aposta na economia de recursos e reciclagem em todas as fases do trabalho, arriscando de forma inclusiva em novas propostas e no talento em todo o seu esplendor.

 

Saudações operáticas e até para o ano!

Cinco Formas de Morrer de Amor

Do amor à morte
Um espectáculo operático de Catarina Molder

11 de Fevereiro | Teatro Municipal de Portimão

O espectáculo de Catarina Molder, com a direcção cénica da actriz e encenadora Lígia Roque em torno do eterno sacrifício feminino e da catarse da morte por amor e do canto da morte para ver Teatro Tempo de Portimão! Este espectáculo traça o percurso de uma mulher que morre continuamente de amor, até à exaustão suprema. O amor fá-la viver de novo, para morrer outra vez. Um eterno retorno. Um eterno sacrifício, onde todos os músicos participam. Quem vence no final? O amor ou a morte? – a violência do amor, a violência das relações, a violência da procura pela felicidade.

O Contópera o Polegarzinho e a Verdadeira História de Babar - CD

Com música especialmente composta para aliciar os mais novos, não perca a oportunidade de uma prenda de Natal que ficará para a vida!!

 

O conto de Charles Perrault serve de mote para esta pequena pérola de introdução ao mundo da ópera, o contópera "O Polegarzinho" da compositora francesa Isabelle Aboulker e a comovente e empolgante versão da história do pequeno elefante Babar com o charme irresistível da música de Francis Poulenc para divertir pequenos e grandes!

 

Para ouvir, sonhar e maravilhar!
Uma prenda de Natal para fazer a diferença!

 

Duas obras extraordinárias, numa ligação perfeita entre a palavra, o canto e a música.

 

Edição Ópera do Castelo

O OPERAFEST LISBOA ESTÁ DE VOLTA EM 2023!

Operafest Lisboa de volta em 2023 com "Entre o Céu e o Inferno" de 18 de AGO a 9 SET no Jardim do Museu Nacional de Arte Antiga

BALANÇO OPERAFEST LISBOA 2022

19 AGO a 10 SET
No Jardim do Museu Nacional de Arte Antiga

Destino em Vertigem

O OPERAFEST LISBOA 2022 com a direcção geral e artística da soprano Catarina Molder, produzido pela Ópera do Castelo em co-produção com o Museu Nacional de Arte Antiga, com a duração quase de um mês, sob o mote do " destino em vertigem" e propondo a catarse da máscara, levou a emoção da ópera directamente a 5000 pessoas, das quais 1500 crianças e jovens que vieram à ópera pela primeira vez!

Cerca de 37% por cento do público desta edição veio à ópera pela primeira e tocámos num número significativo de público adulto que não só veio à ópera pela primeira vez, como se estreou na fruição de ópera contemporânea.

Produções em estreia

13 espectáculos de ópera

1 estreia nacional

1 estreia absoluta absoluta

30 aulas de canto para curiosos

Concurso de ópera contemporânea - Maratona Ópera XXI

1 rave operática

Conseguimos mais uma vez com um programa ambicioso e inovador dinamizar o mercado de ópera português e trazer a ópera para mais próximo do público e do mundo de hoje!

 

Trouxemos Um Baile de Máscaras de Verdi de volta a Lisboa passados 18 anos, na encenação intensa e vibrante da actriz e encenadora Sandra Faleiro, muito elogiada pelo público e crítica. Apresentámos a estreia nacional da maravilhosa ópera Labirinto de Gian-Carlo Menotti, que será brevemente gravada em CD, em dose dupla com Uma Partida de Bridge de Samuel Barber. Arrancámos com o ciclo Ópera do Futuro para sensibilizar os mais novos à opera, com a ópera Jeremias Fisher de Isabelle Aboulker, proporcionando uma experiência transformadora não só para o público, como para as crianças intérpretes que nela participaram, praticamente uma hora em palco sem nenhuma direcção ou maestro!

Promovemos novos olhares e propostas com a aposta na estreia em encenação de ópera de nomes já conhecidos e experientes como o actor e encenador Bruno Bravo que encenou a Noite Americana e a bailarina e coreógrafa Sílvia Real ao leme de Jeremias Fisher. Assim como na emergência de novos talentos também na encenação de ópera, oriundos do teatro e da dança, na 3ª edição do único concurso nacional de ópera Maratona Ópera XXI. Foi apresentado repertório "na gaveta", já estreado, com excertos de duas óperas de António Chagas Rosa (1994) e de Daniel Moreira (2018), por três concorrentes encenadores, cujo vencedor foi o jovem encenador Rodrigo Aleixo!

Ecos crítica Internacional:
"Baile trágico em Lisboa - O Baile de Máscaras abre a 3ª edição do Operafest Lisboa 2022", Pierre Brévignon para Première Loge
"Operafest Lisboa ilustra as vertigens do destino com Um baile de máscaras de Verdi", Emmanuel Andrieu para Opera Online
"Uma noite americana no Operafest Lisboa", Emmanuel Andrieu para Opera Online
"Encontro com Catarina Molder", Emmanuel Andrieu para Opera Online

Apresentámos ainda, em estreia absoluta, a ópera Minotauro de João Ricardo. Revisitámos a ópera de António Chagas Rosa O Homem dos Sonhos e fechámos em grande com a rave operática, atraindo mais uma vez público inusitados com esta proposta irresistível que une o mundo pop com o mundo operático!

Tocámos novos públicos de todas as idades e muitas crianças, lançámos jovens cantores, músicos, maestros, encenadores, criativos, compositores. Acreditamos no poder transformador da ópera e como esta pode provocar tantas emoções e transportar as nossas dores para um outro lugar!

Agradecemos do fundo do coração a todos os parceiros que tornaram possível esta edição, com a promessa de que tudo faremos para fazer crescer e continuar a oferecer um festival que se quer sempre ultrapassar, para levar a ópera a todos, renovar o repertório, chegar a novos públicos de todas as idades, fortalecer a produção de ópera independente nacional e internacional, apostando e dignificando o trabalho, e em particular o trabalho jovem.

 

Declaramo-nos como um festival amigo do ambiente, que aposta na economia de recursos e reciclagem em todas as fases do trabalho, arriscando de forma inclusiva em novas propostas e no talento em todo o seu esplendor.

 

Saudações operáticas e até para o ano!